segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Os criolos e a sua "sensibilidade" às críticas de gente de fora

SmileysRecebi um e-mail de uma amiga, muito indignada devido aos comentários de uma brasileira sobre a nossa gastronomia. Ela fala de vários aspectos ligados à comida e ao serviço e de entre muitas afirmações diz "Na minha opinião, come-se mal em Cabo Verde, pelo menos em sua capital, a cidade da Praia, onde fiquei. Por conta da escassez de produtos, da terra árida, de aspectos culturais, e por falta de ousadia e criatividade..." (se quiserem ler o post aqui está o link). CONCORDO em género número e grau! Podem me dizer que não...que a nossa gastronomia é riquíssima...e eu pergunto....e isto é vendido aos turistas?! NÃO! O que encontramos nos restaurantes? Peixe grelhado, Bife, etc, etc e com as mesmas guarnições batata, alface, tomate, arroz branco..muda-se de restaurante e a ementa é quase que uma cópia (salvo raras excepções como o caso do CIMBRON). É claro que a escassez de produto deve-se à comparação com a variedade que o Brasil tem...mas quanto à mim...FALTA criatividade e ousadia dos nossos cozinheiros e também dos nossos restaurantes que deviam apostar na nossa gastronomia. Muitos pratos só são feitos por encomenda e outros nem existem no cardápio. Há uns tempos para cá que fiquei maravilhada quando em SV encontrei no Restaurante "Sr. Vinho" arroz com atum na ementa! Quanto ao serviço?!? É melhor nem comentar. A Katita falou em "serviço distraído" forma mais "fofa" de classificar o péssimo serviço dos restaurantes cujos "garçons" andam de olho em tudo...menos nos clientes. Quanto às moscas...ohhhh esqueci que isto é coisa que não existe... foi mera ficção...
Mas voltando ao post...as pessoas centraram-se tanto na crítica que esqueceram os elogios , por exemplo, quanto à qualidade do nosso peixe...
Deixemo-nos de ser sensíveis e sejamos mais aberto às críticas/reclamações... penso que só temos a ganhar!
Ia embora quando resolvi ler os comentários do post....bemmmmm....ali está a nossa morabeza, esperteza e inteligência bem espelhada!!!! Smileys

22 comentários:

djoyamado disse...

Ao que parece, as críticas à crítica feita pela tal brasileira foram tão mordazes, que a mesma retirou o post, pois quando se clica no link, dá uma mensagem de erro.

MS-Mnininha Soncente disse...

Pois...parece que sim. As pessoas tem de perceber que aquilo é a opiniao dela...expressa num blogue que é dela...tantas vezes nós blogueiros já reivindicamos essa liberdade de postarmos o que queremos...enfim...

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Sr(a) MS vc é caboverdiana ?
Desde quando não se faz refogado na comida ?
Desde quando Percêbes é alienigina ?
Desde quando comemos lixo ?
Desde quando os homens são sustentados pelas mulheres (no outro artigo)?
Desde quando os filhos são limitados pelos pais de ajudar nos afazeres domésticos ?
vc se viu nas criticas da querida Katia Najara logo ela se referia a vc , errou de prato ...

Anónimo disse...

acrescentando...

de onde ela tirou essa estatistica:

"Pelo menos 50% das famílias são sustentadas por mulheres, de todas as classes sociais. O país sofre muito com a questão da droga, e um dado que me assombrou é que 50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir alcool como forma de acalma-los, tornando-os viciados desde muito cedo."

Anónimo disse...

mas quem diz o que quer, ouve o que não quer. estarão os blogueiros, como a senhora, preparados para aceitar contra-críticas? não me parece...

MS-Mnininha Soncente disse...

Querido anónimo:
Sr(a) MS vc é caboverdiana ?- Sim sou
Desde quando não se faz refogado na comida ? Não te esqueças que ela comenta aquilo que viu!!
Desde quando Percêbes é alienigina ?
Desde quando comemos lixo ?Atenção ao texto. Se fores a um determiado lanchonete e pedires um sumo de larnja...certamente q as laranjas usadas são azedas. Se fores ao impofrut/mercado verás o estado de algumas frutas
Desde quando os homens são sustentados pelas mulheres (no outro artigo)? Não li o outro artigo...comentei o post em questão!!
Desde quando os filhos são limitados pelos pais de ajudar nos afazeres domésticos ? Não li o post

vc se viu nas criticas da querida Katia Najara logo ela se referia a vc , errou de prato.

Eu repito: NÂO TEMOS CRIATIVIDADE NA NOSSA COZINHA E A NOSSA GASTRONOMIA NÃO É MOSTRADA NOS RESTAURANTES! O NOSSO SERVIÇO DE ATENDIMENTO È UMA LASTIMA!!! E TENHO DITO

Anónimo disse...

Oh mnininha,
També bo ê de soncente.
Bo té custmôd ê k bife de canéca!

Anónimo disse...

(1)
Kátia Najara escreveu no seu blogue algo mais grave, muito mais do que comer lixo.
As últimas estimativas do Instituto Nacional de Estatísticas (INE) davam ao país 499.796 habitantes em 2008. A população dos 0-4 anos constitui 11,9% da população, a dos 5-14 anos perfaz 23,53%. Ou seja 43% da população é constituída por crianças e pré adolescentes. Há cerca de 200 mil crianças , mais- menos.
200.000 crianças no país e a Kátia Najara escreve o seguinte "O país sofre muito com a questão da droga, e um dado que me assombrou é que 50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir alcool como forma de acalma-los, tornando-os viciados desde muito cedo." Segundo a INE o país têm 60.000 crianças dos zero aos quatro anos. Segundo a Najara os pais cabo-verdianos, profundamente católicos, dão a 30.000 bebés álcool para os acalmar. Somando a esses trinta mil bebés aquela franja que fica entre os quatro e os seis anos. Mas o exercício lógico aqui é simples. Se metade dos bebés são viciados em álcool ( palavras de Najara: “ tornando-os viciados desde muito cedo”) I sto quer dizer que temos, cerca de 100 mil crianças alcoólicas. Sim porque Najara diz expressamente: “um dado que me assombrou é que 50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir alcool como forma de acalma-los”) e de certeza que a prática vem de a muito estando socialmente institucionalizada.

Crioulo

Anónimo disse...

(2)
I-PERGUNTAS:
1- Aonde que Najara foi buscar esses “dados”!??? Ao Instituto Nacional de Estatística?
2-Segundo Najara este comportamento do pais cabo-verdianos que embebedam 30.000 mil bebés, eu e tu meu conterrâneo, é feito… “como forma de acalma-los”. Acalma-los do quê Kátia Najara, porquê? Que difereça têm os bebés cabo-verdianos para que mais de 30.000 deles ( palavars tuas: “50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir álcool”) sejam deliberadamente alcoolizadas!???
3- “tornando-os viciados desde muito cedo” temos milhares, milhares e milhares de crianças viciadas em álcool em Cabo Verde!? Dados recentes do ministério de educação dão conta que a cobertura do ensino básico integrado abrange 96% das crianças Cabo-verdianas. Ou seja não há sítio melhor para observar estas milhares e milhares de crianças alcoolizadas do que nas escolas, decorrente da afirmação de Najara de que: “50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir álcool… tornando-os viciados desde muito cedo”.
4 – Milhares e milhares de pais cabo-verdianos, cristãos confessos, católicos sua grande maioria, que resistiram a tudo para viver nestas ilhas embebedam os seus filhos, Najara, para “acalma-los” !???????.

Anónimo disse...

(3)
II – Esta afirmação, gravíssima de Najara demonstra a pessoa insultuosamente inculta e paupérrima de espírito que ela é. Assim como o nível baixíssimo do seu QI propenso a fabricar mitos bestas como as com que convivia Alvares Cabral ( que tenta desculpa-la) no tempo em que os havia índios no Brasil com três cabeças.
III Acredito que boa parte destas afirmações a Najara as recolheu nos Brasileiros que residem em CV, e não tendo ela racional espírito crítico, porque nela não mora a sagacidade, apenas uma primária empáfia alcoolizada de lugar comum, prontamente acreditou nelas e as terá colorido ( “50% das crianças com até 6 anos” !???). Reparem que nenhum brasileiro que comentou aqui, incluindo os disfarçados de cabo-verdianos na pessoa de Alvares Cabral e outros, pediu desculpas pelas aberrações afirmadas por Najara. Tentaram sempre minimizar: “ratu ta mordi ta sopra”. Aliais coisa diferente não fizeram os Nazistas antes de trucidarem milhões de Judeus. Os Judeus que mataram Deus embebedavam os seus bebés para os tornar mais propensos as “satánicas” actividades a que se dedicavam ; Najara diz: “50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir álcool” ; são mais de trinta mil.

Crioulo

Anónimo disse...

(4)
IV - Se a Kátia Najara fosse uma turista que escrevesse essas aberrações o caso não teria repercussão nenhuma. O problema é que a dita indevida veio num programa que envolve o diálogo intercultural. Veio através da embaixada do Brasil, que como instituição representa o estado brasileiro e os brasileiros. E não acredito que o estado Brasileiro mandaria uma qualquer para promover o diálogo intercultural. Apesar de a sua escrita mostrar a pobreza do seu espírito e cultura. ** A Embaixada do Brasil deve uma explicação aos cabo-verdianos. Ou demarca-se do que esta indevida afirmou ou diz que corrobora: mas neste último caso exigiremos a prova de que: ” 50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir álcool como forma de acalma-los, tornando-os viciados desde muito cedo “. A este propósito penso que as associações cívicas como a pró-praia devem intervir procurando esclarecimentos junto da embaixada brasileira.
V – Não sei que educação os pais deram a Najara, não sei que tipos de abusos sofreu em criança por parte dos pais ou pessoas próximas, e nem sei se a educaram a julgar que tais aberrações a comportamentais são normais. Não sei se a Najara enfiou pela goela abaixo do seu filho, ainda bebé, a famosa cachaça Brasileira, tendo sido este o comportamento dos seus para com ela, mas de uma coisa sei, esta Kátia Najara é embrutecidamente inculta e burra.

Crioulo

Anónimo disse...

(5)
I – Espero e torço para que a dita nunca mais volte para Cabo Verde e que passe mal pela sua vida afora e rogo praga para que seu filho vire alcoólico.

MS-Mnininha Soncente disse...

Criolo ATENÇÃO!! EU CONCORDEI com ela qto às críticas a nossa gastronomia!!! sobre os restantes post eu não li como tal não comento.

Waldim Silva disse...

para além de estar pasmado com o que li no blog, estou mais ainda com as críticas. pô, rogar praga ao pobre filho que nada tem a ver com as acções da mãe???? fala sério nem e o mínimo que eu esperava do administrador do blog era que removesse esse comentário idiota e egoísta daí. nem parece gente caboverdiana.

MS-Mnininha Soncente disse...

Waldim, deixei ficar para se poder perceber o nível da pessoa que fez os comentários...por enqto ainda estou a resistir em não moderar os cometários...

W.S disse...

MS-Mnininha Soncente, creio que já persebemos o nível dessa pessoa, agora tira esse comentário daí porque senão ainda acreditam que em cabo verde há Bruxas, canelinhas, mossongos, mnêmangrados com língua pintada...capazes de interromper, deturpar, condenar a alma de outras pessoas.

João Marcelo disse...

Olha, eu não pude deixar de comentar... parabens pelo seu post... foram poucas as pessoas que conseguiram olhar além das frases desastradas e ver que o post em questão tecia muitos ELOGIOS á Cabo Verde (porque realmente me pareceram mais uma péssima escolha de palavras do que malícia, como creem muitos).

Eu cheguei a ler os outros posts, e apesar de mais algumas afirmações que são sem embasamento, e que deveriam ter sido melhor editadas, ou simplesmente omitidas, todos os três posts longos sobre CV foram simpáticos à terra e seus habitantes. Infelizmente, a maior parte dos leitores caboverdianos não conseguir enxergar além do "come-se mal em Cabo Verde". Digo caboverdianos porque quase todos os posts de brasileiros (e alguns portugueses) anteriores à polêmica expressaram interesse e desejo de conhecer mais de Cabo Verde. A coisa toda me entristeceu muito, tanto pelas reações anti-brasileiros como pela pessoa da Kátia em si, que eu conheci aqui em Cabo Verde e VI que adorou o país e a experiência.

Anónimo disse...

Waldim Silva o que disse a vossa senhoria é muito interessante. Kátia Najara diz “Cabo Verde é um país machista, especialmente as mulheres o são, o que é pior. Não permitem que os seus filhos ajudem no serviço de casa sob nenhuma hipótese, o que torna grande parte dos homens não muito chegados ao trabalho. Talvez por isso, o país seja sustentado pela força do trabalho feminino. Pelo menos 50% das famílias são sustentadas por mulheres, de todas as classes sociais. O país sofre muito com a questão da droga, e um dado que me assombrou é que 50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir álcool como forma de acalma-los, tornando-os viciados desde muito cedo" e você Vêm aqui falar em nível.

Mas as expressões como: "pô, rogar praga"..."fala sério" te denunciou como Brasileiro. E, infelizmente, como os outros tenta minimizar as ofensas gravíssimas de Kátia Najara ao povo crioulo.

Esta afirmação é um truque velho "removesse esse comentário idiota e egoísta daí. nem parece gente caboverdiana." Procura defender Kátia Najara descredibilizando quem comenta em facto e reponde na moéda devida ao mesmo tempo que com esta afirmação " nem parece gente caboverdiana." procura estereotipar o cabo-verdiano a seu gosto e interesse, procurrando isolar o crítico e deixando outros incomodados a uma possivel concordância ao Crioulo.

Infelizmente a MS-Mnininha Soncente caíu na ratoeira e derrigiu farpas contra um conterrâneo. O que se impõem aqui é cerrar fileiras e defender esta terra. A morabeza nunca seguinificou estupidez e subservência patética e canina. Significou sempre e sim, honradez e respeito. Honradez e respeito com os que se respeitam e respeitam o povo crioulo.

Um alfacinha como tu, Waldim Silva e a enérgumkena Kátia Najara que afirma que “Cabo Verde é um país machista, especialmente as mulheres o são, o que é pior. Não permitem que os seus filhos ajudem no serviço de casa sob nenhuma hipótese, o que torna grande parte dos homens não muito chegados ao trabalho. Talvez por isso, o país seja sustentado pela força do trabalho feminino. Pelo menos 50% das famílias são sustentadas por mulheres, de todas as classes sociais. O país sofre muito com a questão da droga, e um dado que me assombrou é que 50% das crianças com até 6 anos, são incitadas pelos pais a consumir álcool como forma de acalma-los, tornando-os viciados desde muito cedo" seram trocidados pelo honradez crioula: e não apenas com palavras.

Não venha armar-se em chico esperto com as tuas bestas tirradas psicológicas, a nós que imortalizamos Adão e Eva no pico de Antónia e prendemos a cara de Deus no Monte Cara.

No mais Kátia Najara deu a mão a palmatória e escreveu este texto:

"Aos cidadãos caboverdianos,

Gostaria de registrar o meu profundo pesar pela repercussão negativa que tiveram algumas opiniões sobre a comida caboverdiana que publiquei no meu blog pessoal. Só depois de todos os manifestos por mim recebidos é que fui me dar conta de que, de fato, fui leviana e infeliz na forma como emiti a minha opinião, mas em nenhum momento tive a intenção de denegrir a cultura do país, ao contrário, nos três posts que publiquei sobre a cidade houve muitos elogios à beleza natural, ao povo, a gêneros alimentícios, à cultura local, e o quanto a experiência havia sido intensa e transformadora para mim, despertando inclusive o interesse de muitos leitores em conhecer o país.

Publicar as minhas impressões sobre comida no meu blog há 4 anos, é uma prática tão comum e pessoal, que sequer considerei as relações diplomáticas que envolveram a minha ida a Cabo Verde, o que foi um grande erro.

Como já havia mencionado em recente carta enviada à Embaixada Brasileira, peço sinceras desculpas ao povo caboverdiano pelo incidente e subescrevo-me com votos da mais elevada estima e consideração.

Atenciosamente,

Kátia Najara".

Não interessando esmiuçar a sincera do escrito há que aceitar o mínimo de Kátia Najara seguindo em frente morabezamente ( com o sentido nosso) que não aquele burruz na laderaz fabricam para os servir.

Monte Cára

Waldim Silva disse...

Ó anónimo, é pena que gente como tu não deixa o seu nome para que lhes possamos responder de uma forma mais directa. Mas pela forma como escreve e pela leitura que eu fiz, tudo leva a crer que seja uma mulher e não uma mulher qualquer, uma mulher que sabe o que pensa e melhor ainda, sabe o que fala e o que escreve, epor isso: PARABÉNS!!!!!!
OBS: é pena que não persebeste a minha crítica e por isso deste um “tiro de pólvora seca”
Falando precisamente dos teus comentários, digo-te que deixaste levar por expressões que a maioria dos caboverdianos gostam de pronunciar no seu dia-a-dia e no meu caso, não sou diferente. Eu adoro o povo brasileiro, a sua língua…embora nunca lá estive. Sabes “anónimo”, isso se chama-se”interferências ou influências linguísticos” e Cabo Verde é um caso explícito disto. Podes encontrar isso em qualquer canto do país.
Se tu achas que no meu pedido "removesse esse comentário idiota e egoísta daí. nem parece gente caboverdiana." Achas isso um truque velho????? Pergunto…do quê, para quê? Chegaste a ler ocomentário alvo da minha crítica???? Pelos vistos não. Porque creio que se o tivesses lido, terias concordado plenamente comigo, mas como sou bonzinho, vou facilitar-te as coisas um pouquinho e espero porém que mudes opinião. A minha crítica se dirigia ao seguinte comentário que eu volto a afirmar… idiota e egoísta que nem parece gente caboverdiana. Dizia o comentário: “Anónimo disse... I – Espero e torço para que a dita nunca mais volte para Cabo Verde e que passe mal pela sua vida afora e rogo praga para que seu filho vire alcoólico.”
Achas isso uma coisa que se diga para uma pessoa???? E o que é pior ainda, essa “praga” não é dirigida á pessoa alvo, mas sim a uma pessoa que nada tem a ver com os comentários que ela(Kátia)fez. Essa pessoa é o seu filho. Achei isso feio, maldosa, egoísta, leviano e muitos outros adjectivos depreciativos que eu podia fazer questão de encher essa página com eles todos, mas vou deixar que cada um classifique-o como achar conveniente.
Agora se vens armar-te em fala bonito, em defensor dos fracos e…, em a mais esperta, como diz mnininha de soncente: ERRASTE DE PRATO. O caboverdiano que é caboverdiano não roga praga, pelo contrário, deseja tudo de bom até para alguém que considera pouco amigo, digo “pouco amigo”, pois não creio que o caboverdiano tenha inimigos.
Ah, ao contrário do que disseste:” Procura defender Kátia Najara descredibilizando quem comenta em facto e reponde na moéda devida ao mesmo tempo que com esta afirmação " nem parece gente caboverdiana." procura estereotipar o cabo-verdiano a seu gosto e interesse, procurrando isolar o crítico e deixando outros incomodados a uma possivel concordância ao Crioulo.” Eu, de forma alguma podia esteriotipar o povo a que eu faço parte e que eu estudei a sua história, a sua cultura na íntegra, simplismente quis mostrar o tipo de pessoa e o tipo de comentários que fazem por aí. Comentar???? Oh sim, com toda a liberdade, mas nunca chegar a tal ponto de ofender um povo, ou uma pessoa que nada tem a ver com isso. Não temos que ir em acordo com a mássima que diz:”Olho por Olho, Dente por Dente”, pelo contrário, sejamos irmãos, sejamos tolerantes, sejamos irmãos pois é isso que somos do povo brasileiro assim como do povo português, assim como do angolano, do moçambicano… e se sentiste que com a minha crítica eu procurei isolar o crítico, pergunto-te: Onde é que está a crítica nisso: “Espero e torço para que a dita nunca mais volte para Cabo Verde e que passe mal pela sua vida afora e rogo praga para que seu filho vire alcoólico.” Olha, eu tento, tento e volto a tentar ver uma crítica aí, mas eu só vejo PRAGA. Achas isso liberdade de crítica???? De opinião?????? De expressão?????? Não me parece. Por isso não me venhas com moralismos, nem com filosofia barata pois disso, estou cheio. Tenha um bom dia.

João Teles Leite disse...

É UM FACTO !!!
Eu sou testemunha da falta de criatividade da maioria dos restaurantes que conheço em Cabo Verde. O peixe é normalmente bom mas os acompanhamentos são sempre iguais. Em todo o caso diria que é um País onde se come muito bem mas com pouca imaginação.
Quanto aos comentários menos agradáveis que a fulaninha brasileira parece ter escrito (eu não li) e independentemente de eu gostar de algumas das novelas e de ser um admirador rendido de alguns actores brasileiros, devo dizer que nós portugueses já estamos habituados a ouvir/ler comentários deselegantes e duma falta de inteligência atroz de pseudo/intelectuaizinhos brasileiros armados em inteligentes e ávidos por vomitar opiniões avulso sobre qualquer coisa que os rodeie. E quando o tema é história, meu Deus… os conteúdos que proferem são de ir às lágrimas…
São de facto um povo curioso que merece, sem dúvida, ser estudado com profundidade para entendermos a origem de tanta idiotice…
É que seria importante isolar os genes causadores deste espectáculo para evitar que eles se disseminem quando um dia chegarmos à era da procriação artificial.
Quanto aos Cabo-verdianos que se agastaram com os comentários dessa “inha”, uso um termo que aprendi com brasileiros: relevem meus amigos !!!
Sim, relevem porque ela não merece nem 1 minuto do vosso tempo!!!

Anónimo disse...

Potuguês de Cabo Verde? Português nasceu em Portugal, vcs deviam como nós brasileiros se libertar e assumir uma identidade própria e não a de um país colonizador que discrimina seus colonizados.