quinta-feira, 15 de maio de 2008

Dia internacional da Família...

Tinha dito que, para esta semana, só "ia dar" piadinhas...pois...para verem como mudo de ideias (típico do meu signo)...Mas é que vão sucedendo coisas que não me deixam ficar quietinha. Hoje quando abri uma agenda e descobri que 15 de Maio é dia da Família, pensei para comigo (não com meus botões porque hoje não os tenho), está aí um dia que merece uma referência no Retalhos, pois, não sei se é meu pessimismo a falar mais alto, mas o conceito de família mudou para pior e precisamos fazer algo.
Quando pequenina, o facto de alguém ser da família “obrigava” que o problema dele fosse problema da família, agora é cada um por si e Deus por cada um.
Os filhos respeitavam os pais e os pais tinham o compromisso de educá-los. Caso o filho se “extraviasse” a primeira pergunta que os pais faziam era “aonde é que errei”. Agora? Culpam a sociedade, a televisão, os filhos dos outros, os outros pais, o governo, o sistema educativo esquecendo eles próprios que fazem parte do sistema. Esquecem-se que ter filhos não é só dar-lhes vida, comida, roupa (aqueles que conseguem dar) mas que é preciso dar-lhes principalmente educação. Esquecem que bens materiais não dão educação, não dão respeito, muitas vezes sim, contribuem para distorção destes e outros valores. Esquecem que ao darem a vida a um filho tem uma “obrigação” para toda a vida. Ele não escolheu, foi escolhido!!
Antigamente o casamento implicava um compromisso, que não sendo vitalício, era no mínimo a longo prazo. O divórcio era encarado como sendo o último recurso. Agora casa-se a pensar que "se não der certo divorcia-se". Uma vez ouvi de alguém a dizer que as pessoas, tendo esta opção tão "fácil", já nem se importam em tentar com que resulte.
Os casais já não se respeitam e acham que mentir, trair é algo tão natural como o respirar. Alguns já nem se preocupam em salvaguardar o parceiro, querem é gozar a vida e esquecem-se que um dia fizeram promessas… (continuo a ser adepta do “magoa-me com a pior das verdades mas não me iludas com a melhor mentira”).
A culpa? Minha, tua, de todos nós!! Somos nós que, individualmente, constituímos a sociedade que vivemos, o governo que nos governa (bem ou mal). Somos nós, pais, professores, trabalhadores os principais responsáveis pela falência social. Somos nós, umas vezes com a nossa passividade outras vezes como parte activa esquecendo que cada um de nós é um veículo de transmissão de valores. Este dia quanto a mim, serve como desculpa para se reflectir um pouco.

6 comentários:

vl disse...

Hoje quando acordei e ouvi um padre e um pastor de igreja a falar sobre a familia, disse para mim que iria escrever algo sobre isso para publicares MS.

Mas vejo não ser necessário, pois já disseste tudo ou quase... Sou mãe e sei que se eu não conseguir passar para minha pikinote os bons valores que meus pais me passaram, vou merecer um certificado de inresponsabilidade social.

Na minha familia ainda existe aquele sentimento de problema com um dos membros, problemas de todos os membros. Não somos O exemplo de familia, mas ainda somos melhores das muitas especies e tipos que andam a surgir por aí.

Sou daqueles que pensam que o filho pode estar no pior meio social, na pior escola, mas se tiver uma BOA BASE familiar consegue ultrapassar a maior parte dos obstáculos.

Queridos pais, vamos por a mão na consciencia e fazermos uma analise da familia que somos hoje, e sejamos corajosos para MUDAR.

O futuro agradece

Xana disse...

Olá MS!
De quem é a frase que citaste "magoa-me com a pior das verdades ..." é que gostei imenso dela!

Beijinhos

MS - Mnininha d'Soncente disse...

Oi Xana...há qto tempo. Olha não me lembro. Mas vou investigar ;)

Xana disse...

Obrigada!

MS - Mnininha d'Soncente disse...

Olha Xana procurei no Google mas apenas encontrei a citação mas sem o seu autor... se alguém souber agradecia o contributo.

João disse...

parabéns!!!!
tá linduuuuuuuuuuuu
aliás como sempre ;)