quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Nunca chegue atrasado!

Tenho por norma não me atrasar...está bem que tenho chegado um pouco atrasada ao trabalho, mas quando marco compromissos tento de tudo para não ter atrasos, porque detesto fazer esperar as pessoas e detesto ainda mais esperar pelas pessoas... Mas aqui em CV (já falei sobre isto) é a norma e por isso, para aqueles que ADORAM chegar atrasados, deixo uma piadita para se lembrarem que a pontualidade é uma virtude.


«Certo Padre recebia um jantar de despedida pelos 25 anos de trabalho ininterrupto à frente de uma paróquia.Um político da região e membro da comunidade convidado para entregar o presente e proferir um pequeno discurso se atrasou.O sacerdote, então, decidiu iniciar a solenidade e proferir umas palavras:“A primeira impressão que tive da paróquia foi com a primeira confissão que ouvi. Pensei que o bispo tinha me enviado a um lugar terrível, pois a primeira pessoa que se confessou me disse que tinha roubado um aparelho de TV, que tinha roubado dinheiro dos seus pais, também tinha roubado a firma onde trabalhava, além de ter aventuras amorosas com a esposa do chefe. Também em outras ocasiões se dedicava ao tráfico e a venda de drogas e para concluir, confessou que tinha transmitido uma doença à própria irmã. Fiquei assustadíssimo… Mas com o passar do tempo, entretanto, fui conhecendo mais gente que em nada se parecia com aquele homem… Inclusive vivi a realidade de uma paróquia cheia de gente responsável, com valores, comprometida com sua fé e desta maneira, tenho vivido os 25 anos mais maravilhosos do meu sacerdócio”.Justo nesse momento chega o político, o Padre interrompe seu discurso e foi dada a palavra ao político para entregar o presente da comunidade, prestando a homenagem ao Padre. Pediu desculpas pelo atraso e começou o discurso dizendo:“Nunca vou esquecer o dia em que o padre chegou à nossa paróquia… Como poderia? Tive a honra de ser o primeiro a se confessar com ele…»

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Sexo e informática



Este post é do tipo esquecer-o-anterior-e-mudar-de-assunto....
(Imagens "caçubodiados" neste site)

(Não pude resistir...!!!)

Marcha contra a violência...

Cheguei atrasada, mas fui...e encontrei menos de 10 pessoas.... e mais não comento sobre a marcha - SEM COMENTÁRIOS-

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Marcha contra a violência....

Mudaram o local da concentração: ao invés da Praia Gambôa será na Pracinha da Escola Grande, às 18 horas!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Estou com....

Eu bem que tento disfarçar, contornar, ignorar e até combater...mas está muito forte, rendo-me!!!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Preciso de um banho...

Preciso de um banho que me lave a alma, que me tire do corpo tuas impressões digitais e da minha boca o teu gosto,
Preciso que a água limpe minhas memórias e que os momentos escorram pelo ralo sob os meus pés…
Preciso que o sabão deslize sob a minha pele e apague aqueles meus desejos loucos que tatuaste em mim…
Preciso sim, muito e urgente porque não podes mais habitar em mim, nos meus pensamentos, na minha pele, nos meus desejos.
Não posso mais guardar a memória do teu toque, dos arrepios que arrancaste da minha pele, dos mamilos sedentos do teu beijo, meu corpo arquejante de prazer quando a tua língua conquistava meus gemidos.

Não posso mais sentir teu suor fazendo caminho pelas curvas do meu corpo e tuas mãos apossando do que é MEU,

Não posso mais receber-te dentro de mim nem ver-me nos teus olhos e ali morrer-me lentamente enquanto meus braços se perdem no vazio do teu silencioso adeus.

Não há mais lugar para falsa pertença e falsas esperanças…o que mais preciso no momento é um banho…de mim…para mim…sem ti.

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Marcha contra a violência

Li no asemana online, que no dia 14 de Dezembro realizar-se-á na Praia uma marcha contra a violência. Este movimento foi "despertado" por alguns blogs cabo-verdianos (indicados no artigo).
Acho bem que as pessoas mostrem a sua indignação pelo estado de insegurança que se vive na capital do país (e não só). Espero que a iniciativa tenha adesão e que as pessoas não fiquem em casa. Há que começar por algum lado. Primeiro mostrar indignação, mas depois há que lançar mão à obra e não ficar a espera que o governo faça tudo.

Há coisas que começam em nós, na nossa casa, no nosso meio. Acho que cada um ficou demasiado tempo fechado em si, nos seus problemas, seu umbigo… passou o tempo e agora forçados a sairmos do nosso casulo deparamos com um mundo onde as coisas já saíram dos limites. Anestesiados, ou apenas indiferentes, vemos as coisas a acontecerem e com um abanar da cabeça e uma meia dúzia de palavras (ditas para dentro) seguimos o nosso caminho. Foi uma opção que muitos tomaram e que chegou a hora de dizer um basta. É preciso reclamar o que é nosso de direito mas também é necessário chamar para nós as nossas responsabilidades como cidadãos deste país e chamar atenção ao nosso colega do lado sempre que acharmos que ele está a desviar das suas responsabilidades. A nossa responsabilidade, ao contrário da nossa liberdade, não termina aonde nasce a responsabilidade do outro.
A violência não se combate com polícias nas ruas, quanto a mim passa por resolver imensos problemas sociais que andamos a jogar para debaixo do tapete, principalmente no que toca à desigualdade social chocante existente em Cabo-Verde e a (falta de) EDUCAÇÃO (não, não é ter escolas superiores espalhados pelo país, mas sim a educação cívica);
Um país que agora é de desenvolvimento médio e aonde se fala de investimentos avultados e de sonhos megalómanos, quando vamos analisar temos:
Um país aonde nem os problemas mais básicos estão resolvidos, como o caso flagrante do saneamento básico, electricidade, água, segurança e, meus caros acreditem ou não, subnutrição;
Um país aonde a corrupção é tratada de forma leve e leviana;
Um país aonde a vida das pessoas não vale NADA, nem a bala que se gasta!
Um país aonde na capital não existe neste momento UMA ambulância (coisinha básica)…
Mas, feliz ou infelizmente, este país é NOSSO e se antigamente lutaram por ele chegou a nossa vez de darmos o nosso contributo. São outros tempos e por isso outras lutas. Não baixemos os braços. Vamos começar por participar na Marcha e não deixar que a luta termine quando o festival da Strela começar…que seja o início de uma longa caminhada.

A concentração é na Praia da Gambôa às 18 horas!

E se...


«E se....

Tomasse o mundo como meu,

violasse as regras...

serias meu?

E se...

o tempo não contasse,

o futuro fosse hoje?

serias meu?

E SE...

Pudesses esquecer o ontem ?

Voltarias para mim?

Voltaríamos ao nosso "e se..."?

Vais tentar?

Queres tentar? »


MS

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Fridayyyyyyyyyyy!!!!!!!!!!!!!!! YES

Um pouco de bom humor para fechar essa semana...

«A celulite é uma defesa orgânica feminina. O organismo joga ali, na sua bunda, o excesso de gordura que você come, em vez de entupir suas artérias; por isso homens enfartam em maior quantidade que as mulheres

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

"Mudanças"

Prometido, devido e cumprido!!
Começo com um texto a quem chamei de "mudanças"- mesmo a propósito... - Escrito num momento de uma das minhas várias rupturas (ou tentativas de...)

«Muitas vezes sentimos vontade de impelirmo-nos para fora do nosso ninho, voar para outro lugar, construir ninhos novos, mas permanecemo-nos quietos. Porque nos assusta tanto a mudança? Porque procuramos sempre nos outros a resposta dos nossos medos, fracassos e até a mudança de vida. Nunca paramos e olhamos para dentro. Será nosso lado lunar assim tão feio que até de nós o escondemos? A vontade de mostrar-nos aos outros como realmente somos tem momentos que é forte…que apetece despir o disfarce…mas como faze-lo sem assustar a pessoa? Muitas vezes esses momentos aparecem quando estamos amando e a vontade é despirmo-nos para o objecto amado, mas o que fazemos é exactamente o contrário, vamo-nos moldando à imagem que nosso instinto nos leva a crer ser o que a pessoa amada deseja que nós sejamos. E assim vai crescendo a bola de neve…até que vão surgindo as situações que fazem cair a máscara. A nossa tolerância para com algumas coisas vai diminuindo e chegam as cobranças… e o fim começa a aproximar-se a passos largos… O final pode parecer que não é igual ao início, mas no fundo são! Os sintomas são os mesmos apenas a doença que é completamente diferente.
No início são olhares, são apertos no peito, são convites… o tempo é feito de espera.
No final isso tudo também existe:
Os olhares... deixam de ser de conquista para serem de perguntas, acusações e rancores.
Os apertos no peito, estes também permanecem porque o coração também fica pequeno no final, pois dizer o adeus dói; dói para quem diz, dói para quem ouve…
Finalmente há o convite, convite para sairmos da vida de um do outro…
A doença já não se chama amor ou paixão mas sim abandono.»

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

MS na Praia...

Bem, agora tenho de dizer que "a mi um ta vivi li"...na Praia Capital , menina do mar, pérola do atlântico, Praia Digital (tem mais alguma denominação? com certeza que sim, mas já esqueci...são tantas quanto a imaginação no "meu novo presidente da Câmara"). Apesar de gostar de Santiago, de ter vivido aqui, de ter vindo aqui i-m-e-n-s-a-s vezes a minha adaptação não tem sido das mais pacíficas...e olhem que eu me adapto facilmente. Achei que não ia ter problemas....que ia ser tranquilo, apenas passava de uma semana (como era de costume e que não me custava nada...muito pelo contrário) para ....uma vida inteira!! Acho que foi isso que me assustou nos primeiros dias. Bem, continuo a ser acordada com o barulho das serras, o horário para iniciarem varia das 06 horas da madrugada às 07:00, ou seja sou "obrigada" a acordar mais cedo que em SV...E como já devem ter percebido sou preguiçosa confessa e convicta! Ao sair de casa a areia tenta invadir todos os meus buracos disponíveis. Chego ao trabalho todos os dias atrasada (ainda não me acertei com o relógio e o tempo para estar nos escritórios). No escritório...bem...desconfio que meus colegas(alguns, ok, a maior parte) tem problemas e graves de audição... só pode...é a única explicação para: 1º falarem alto ao telefone ou com um colega que está mesmo ao pé; 2º não atenderem os telefones dos colegas, quando eles estão ausentes (o telefone toca ate desligar); 3ºchamo atenção para umas coisas que toda a gente já se deu conta que precisam ser mudadas, mas as coisas continuam na mesma…
Isto não seria grave se não trabalhassemos em "open space"aonde, também, cada um tem a sua temperatura e a defende com unhas garras e dentes... temos micro-climas que vão desde do tropical temperado ao glaciar. A conjugação verbal é: Eu reclamo, nós reclamamos e eles mandam nos comandos do ar condicionado. Vá lá que as vezes puxo dos galões de recém-chegada e ponho uma temperatura "suportável".Eu já sei que qualquer dia ou expulsam-me daqui ou levo porrada, porque por enquanto, acredito que apenas pensam que "ês mnininha de soncente is ê chei de mania"

Mudanças...parte 2

Já aqui tinha falado do meu problema com o “fazer malas”, por mim viajava com uma escova de dentes e tudo que precisasse ia comprando...ficaria assim só a parte de desfazer as malas. Mas digo-vos já me tinha esquecido o que é mudar de casa e, pior... de ilha. Temos de fazer selecção do que achamos que vamos precisar para depois verificarmos que aquilo que deixamos para trás afinal faz imensa falta!
Mas a mudança tem os seus aspectos positivos, jogámos fora as roupas/acessórios que não usamos faz séculos e que até nos tiram da boca aquele "ohhh já nem me lembrava que tinha isto"; encontrámos aquelas coisas que nos fazem viajar no tempo, revivemos momentos (uns bons outros nem por isso), relembramos situações, pessoas que foram ficando para trás e vimos o quanto mudamos, o quanto crescemos e que também estamos ficando "passados". Nesta minha incursão ao passado encontrei alguns rabiscos que imortalizaram meu estado de espírito num tempo que já la vai e que durante alguns dias vou aqui "imortalizar". É uma forma de os guardar sem ser em papel ou em disquetes!! Esta "série" será baptizada de "Baú".