segunda-feira, 21 de maio de 2007

149

A menina do mar, pérola do atlântico (?), entre outros mil nomes que o actual presidente da câmara já atribuiu à Cidade da Praia (para lhe dar um estatuto de realeza, penso eu…)…dizia eu, o Japão de África fez 149 aninhos!!!É idade para ter juízo, mas parece que não há forma disso acontecer. Não é que se gastaram 23 milhões de ECV para um festival para 20 horas de música?!??! Se meus cálculos estiverem correctos (sim porque hoje é segunda-feira e meus estimados neurónios ainda se encontram de férias) isso dá 1,15 mECV por hora de música. Ninharia, diriam alguns. Mas pensemos um pouco, o que traz de bom um festival? Que valor acrescentado traz para a população praiense ter um festival (mais um) - não conta assinalar as 20 horas de bebedeiras, fumo de churrasco, lixos produzidos etc, etc- . Sei que houve inaugurações de praças, enfeitaram umas ruas (leia-se pavimentação e arranjos), mas a mim isso cheira-me preparação para as autárquicas e não comemoração do aniversário da cidade. Mais, a CMP não fez mais que a obrigação dela! E devia fazer mais, ao invés de gastar os milhões no festival devia aplicar o dinheiro a resolver problemas de habitação e saneamento da cidade, ou será que os patrocinadores não estariam motivados a participar numa causa tão nobre?! Apesar dos seus 149 anos, a Praia continua como os adolescentes: a dar importancia aos bailaricos ao invés de preparar para o futuro.

A praça do Papa ficou uma maravilha (dizem) e aconselharam-me a ir visitá-la o mais breve possível sob pena de não encontrar nada (vou ali limpar o veneno no canto da boca e já volto)

1 comentário:

VL disse...

Tens toda a razão e digo que não és a unica a dizer (escrever) que os montantes gastos com festivais estariam melhor empregues em coisas que esta cidade realmente precisa. Não há duvidas que as praças são mais AUTARQUICAS que FESTA de MUNICIPIO. Por isso alguns já defendem que as eleições deveriam ser de 2 em 2 anos. Assim brincava-se 1 ano e trabalhava-se outro.

A praça do PAPA ficou um brinco, adoravel mesmo. Seguindo um conselho de uma amiga (tu)que sempre me diz para ser optimista, espero que a religiosidade do povo dessa urbe seja mesmo grande e que não permita a PROFANAÇÃO daquele espaço considerado sagrado.