quinta-feira, 15 de março de 2007

Reclamar é preciso!!!




Fui acordada, não por uma música suave e gostosa mas pela voz do locutor que “berrava” (ele não sabia que ainda estava a dormir…) que hoje é dia mundial do consumidor …confesso minha ignorância… não sabia. Hoje em dia há dias para tudo! Não sou (totalmente) contra, porque servem de “desculpa” para se tirar um dia para discutir o assunto. Aqui em Cabo-verde têm-se desdobrado em mesas redondas, workshop e a última moda são os fóruns. Com muita pena se tem verificado que não passam de palavras e intenções, e dessas o inferno está cheio e já nem devem estar a aceitar lista de espera.
Voltando ao meu acordar…ainda na cama e com os meus dois neurónios (Tico e Teco) ainda dormentes pensei...é hoje o dia para falar sobre reclamação. Faz um tempo que venho adiando. Estava à espera que me passasse o fel que experimentei num dia que fui a um restaurante e assisti a uma cena deplorável, em que o dono do restaurante quase batia num cliente por este não ter gostado da mousse de chocolate e teve o “atrevimento” de reclamar. Subiu-me sangue às orelhas!! Prometo que vou tentar abordar o tema de forma suave…
Ora pois, o cabo-verdiano reclama por tudo e por nada, mas reclama para o vento, nunca direcciona a sua reclamação para “quem de direito”; ou porque desconhece esse “quem”, os meios para a fazer ou por comodismo.
Quantas vezes empurramos goela baixo sapos e vacas e engolimos a reclamação porque “não me apetece chatear mais com isso” ou “não vai adiantar nada”, entre outras coisas.
Quantas vezes apetece metermo-nos por debaixo da mesa e pedir que se abra um buraco no chão se um colega nosso resolve reclamar de uma coisa “meio chata” mas da qual ele tem razão!??!
Eu lembro-me que quando pequenina e, meu pai reclamava de algum serviço, eu dizia: “deixa lá pai!” ao que ele respondia “Estamos a pagar pelo serviço e por isso temos de exigir que seja bem feito”. Hoje?! É melhor não me convidarem para ir a um restaurante ou acompanhar-me à algum sítio onde esteja a pagar qualquer coisa, ou estarão sujeitos a tornarem-se “avestruzes” sempre com a cabeça enterrada algures. Reclamo sim! Aprendi que quando se reclama todos saímos a ganhar, eu porque recebo aquilo que acho que mereço e o serviço melhora, porque EM PRINCÍPIO não repetirá o mesmo “erro”. (Não vou comentar o “em principio”, prometi ser boazinha…lembram-se?)
Mas se temos o direito de reclamar e muitas vezes não o fazemos por comodismo, há também que ver o outro lado da questão: O cabo-verdiano NÃO SABE ACEITAR RECLAMAÇÃO!!! Se um cliente reclama é porque é chato, é porque pensa que sabe tudo e ainda sem falar da cara feia do prestador do serviço que o cliente tem de gramar.
Sabem a melhor? Se não reclamarmos as coisas ou vão permanecer na mesma ou vão piorar…porque melhorar…só por milagre. Como é que o prestador de serviço vai saber que fez algo pouco próprio (continuo boazinha)? Ok! Às vezes até sabe que fez “asneira”, mas ACHA que não demos por isso e confia ou na nossa burrice, distracção ou bondade… nestes casos…eheheheh pela vossa santa mãezinha não perdoem!
Eu acredito que se começarmos a não sentir medo das caras feias (já somos crescidinhos, bicho papão é coisa de criança) e pensarmos que se queremos que nosso país cresça, que os serviços melhorem é preciso reclamar, mas façam-no de forma direccionada, construtiva, com boa educação e estilo – Cabo-Verde agradece!

Ps: Consegui! Só fui mazinha uma (?) vez! Conseguem descobrir?

5 comentários:

Tó disse...

concordo com tudo o que dizes. infelizmente na nossa querida terra quando um pessoa faz uma reclamção é pq esta com o "rei na barriga" (quantas vezes já ouvi "ess bem de portugal el ta q corda" quando n é pior). Mas o problema é que se não reclamarmos nunca mais vamos pra frente e por isso eu vou continuar na minha... sempre que uma coisa n estiver bem eu reclamo (se formos muitos, de certeza que as coisas mudam). É claro q tb elogio quando o serviço é bem feito.(quem esta a prestar o serviço tb tem o direito de saber isso). Isto do consumidor é assunto para muitos workshops, mesas redondas ou até foruns (como esta na moda por ai), mas por hoje fico por aqui. PS: eu juro que não encontrei a maldade. :-)

João disse...

hummm...
só te faltou esclarecer quem foi o teu "mestre" em matéria de reclamações...
ehe
e, já agora, enquanto me deliciava com o texto que escreveste e que subscrevo na íntegra, recordei alguém, que se quis esconder debaixo da mesa dum famoso restaurante do Mindelo.
Conheces??
;-)

MS disse...

É verdade João. Ao pé de ti sou mesmo boazinha ;-). Falha minha não mencionar o mestre ahahahhaa. Sobre aquele..claro! foi uma das situações que recordei! :-P

Olga Margarida Evora disse...

Ufa, estou mais aliviada, não estou sózinha neste barco, pensei que que fosse uma E.T. reclamar é preciso mas sem stress e educadamente, para não cansarmos a N/ beleza mas contribuirmos para melhorar sempre. Jokas. Maldade? foste boazinha demais, ai se fosse moi!?!!

Veruska disse...

Kida, passei da fase da ameaça de reclamar para a fase de reclamar à serio a quem de direito! ainda te envio a carta de reclamação que enviei ao HAN pelo forma como fui mal tratada nas urgencias só pelo facto de eu ter tido o azar de me sentir mal, quando faltavam 45 minutos para a mudança de plantão.
Pena que a ASEMANA nao publicou a carta.....